O racismo à brasileira!

O racismo brasileiro é velado e é sempre em relação a cor da pele. Aqui não existe ‘movimento racista’, o brasileiro é cordial, em público.

Primeiro deixo claro que sou branco, filho, neto, bisneto e tetraneto de brancos, portanto sei o que é racismo velado, falo de cátedra.

Muitos brancos quando vão falar de racismo, quase sempre para negar, dizem logo que são descendentes de negros, tem pele branca, mas ‘se consideram’ negros, dizem que tem amigos negros, como se isso fosse diploma de não racista. Alguns chegam a dizer que seriam negros segundo algumas leis dos EUA, da Alemanha Nazista ou do Apartheid sul-africano. Somente se esquecem que aqui, por falta de cultura e/ou de leis segregacionistas, antimiscigenação ou eugenistas, o racismo é sempre em relação à percepção da cor da pele, portanto os mais ‘clarinhos’ nunca foram ou serão discriminados da mesma forma que os ‘escurinhos’.

Outra coisa que nunca veremos no Brasil é movimento racista, nunca teremos uma KKK brasileira, somos resultado de séculos de miscigenação descontrolada, somos ‘negros’ para qualquer eugenista. Além de sermos dissimulados, para não dizer hipócritas, em relação ao que temos de pior, somos racistas somente no particular, no público somos ‘negros’ mesmo que de ‘pele branca’, temos, como disse certo sociólogo, ‘um pé na cozinha’ (na maioria das vezes, como no caso dele, ‘temos um pênis na cozinha’).

O caso William Waack acabou revelando uma imensidão de pessoas dispostas a defendê-lo, sob os mais variados argumentos, alguns destes argumentos, são: foi a única manifestação racistas que vi dele; não me consta que ele milite numa organização racista; a crítica é coisa de militante esquerdista; ele está sendo perseguido por ser liberal e porta voz dos liberais; a suspensão é pena além da justa, etc.

Alguns de seus defensores usam o argumento de que são descendentes de negros, mesmo que tenham pele branca, ou que são negros e que não se sentiram agredidos pelo raciocínio e frase racista do WW.

Bom isso é condescendência com o racismo, negação do racismo praticado por ele e por todos nós ‘brancos’ e isso tem explicação sociológica e psicológica bem conhecidas e claras.

Não, o WW é racista, o ‘branco’ brasileiro é racista, a suspensão não é pena justa, ele deve ser punido exemplarmente, por ser exemplo e porta voz de milhões de sociopatas, fascistas e racistas. Além dele devem ser punidos todos os que exageram do direito de livre expressão e semeiam o ódio como cultura de convivência entre os diferentes.

Ativista social, articulista e editor do Diário Popular.

Dorivaldo Lourenço é ativista social, articulista e editor do Diário Popular. 

Comentários

Deixe uma resposta